aguarde imagens/som
Largando a Lata
Conversão Brasileira do Texto " Chutando o Balde "
© Luiz M Martan ©



" Eu venho, por meio desta, comunicar minha exoneração de criança pobre.

Eu declaro que aceito as responsabilidades que me forem impostas
como adulto de posses, o qual não tinha mais esperanças de ser.

    Eu quero poder entrar num Mc Donald's,
onde sempre vejo meninos menos pobres muito alegres,
já que restaurantes 5 estrelas eu nem sei o que é.

Eu quero poder me lambuzar com um sanduíche inteiro,
sozinho, pois os que comi eram restos que me deixaram,
e beber um refrigerante cheinho, pois
só consigo beber o pouco que deixam nas latinhas.

Eu quero poder comer biscoitos quando tiver vontade,
pois as moedas que me dão têm pouco valor
e não servem para ser comidas.

Eu quero poder entrar numa boa piscina
para me refrescar e me divertir,
e até deitar embaixo de uma árvore em uma bonita casa,
pois árvores eu tenho lá no morro, mas às vezes nem sombra dão ...
     Eu quero ter uma vida mais complexa e nunca voltar a esta mais simples.

     Quero conhecer lápis de cores, saber o que é tabuada,
pois conto de criança que eu conheço
é de pai bêbado batendo em filho e na mulher ...
é de traficante herói do meu pedaço
que mata traficante bandido do outro pedaço.
Quero esquecer destas coisas de minha infância que me estressam tanto.

Eu quero deixar de pensar que o mundo é injusto e que todas as
pessoas  são bandidos e desonestos.

Eu quero deixar de pensar que tudo é impossível.

Eu quero largar a complexidade desta infância,
deixar de ficar tremendo de infelicidade.

Eu não sei o que é ser simples ... ou complexo ...
Só sei que tenho complexo por ser simples.

Eu não quero mais meus dias dependentes de armas destravadas
para me manter vivo.
Mas vou adorar saber o que é computador travado
de que tanto falam ...

Eu quero esquecer as latas de cola, os pedaços das calçadas onde
durmo e o medo de ser morto a qualquer momento.

  Eu quero acreditar, quando sorriem, que é sorriso de verdade,
não medo do que sou : menino de rua.

Eu quero acreditar, também, na justiça, nas palavras de carinho,
na ajuda sincera e verdadeira.
Quero ter sonhos ... Possibilidades.

Eu quero - mas não consigo - acreditar no amor,
na imaginação, na gentileza humana,
imaginar só ir à praia para me divertir.

PORTANTO ...

Aqui estão minhas latas de cola, minhas roupas rasgadas e sujas
e meu único brinquedo quebrado que encontrei no lixo.

Eu estou desertando definitivamente da minha condição
de menino pobre e abandonado.

Se você quiser discutir isso agora, venha,
senão poderá ser tarde demais.
Eu sou fácil de achar:
estou em qualquer esquina, de madrugada ... "



Luiz M Martan
- Direitos Autorais Reservados -
©12/10/2001©

Veja
CHUTANDO O BALDE
para maior e melhor compreensão do texto acima






    Mensagens de Silvia Schmidt

Mais Mensagens


Porão da Humancat



Fala o Internauta