imagem-top


C a r i c a t u r a

Fátima Irene Pinto


Serenamente agora tudo eu vejo
Neste momento em que tudo é findo.
Tu não estás em nada do que almejo,
Tu és só um barco lentamente indo.

E vais sumindo com tuas fealdades
Por densas brumas onde eu não irei.
A tua partida é a minha liberdade,
Passou o tempo e só agora eu sei.

Nada restou daquela criatura.
A luz que eu via foi só invenção,
Foi qual um sonho que só eu sonhei.

E hoje eu me rio da caricatura,
Rio de mim e rio da ilusão
De quem tu eras e do que inventei.



Fátima Irene Pinto

Descalvado/SP - 24/09/2006 -
Direitos Autorais Protegidos
Copyright©2006



Seq MIDI : Udo E. F. Sterzinger





Site da Escritora e Poetisa Fátima Irene Pinto



Mensagens de Silvia Schmidt

Porão da Humancat
Nossas Poesias

por amor
Sempre que copiar, copie com Amor.
Preserve o nome do Autor.



Créditos de Imagens:

artist
art&design